Pular para o conteúdo principal

O que a Época sabe sobre FHC, Dantas, Serra e Gilmar dá cana braba em país sério


A Revista Época está de posse de uma documentação devastadora, apreendida em 2 momentos da Operação Satiagraha:
A busca e apreensão na casa de Daniel Dantas, no dia em que ele foi preso em julho de 2008.
E outra a busca e apreensão na casa do lobbista Roberto Amaral, feita algum tempo depois pelo Delegado Federal Ricardo Saadi, que substituiu o ínclito delegado Protógenes Queiroz.
A primeira parte são os HDs que foram descriptografados pelo FBI, apesar dos esforços (no PiG (*)) do Daniel Dantas para dizer que não foram.
A segunda parte, do Roberto Amaral, são 10 DVDs.
Com o arquivo do lobbista, para ser usado se for preciso persuadir seus “lobbados”.
Roberto Amaral trabalhou – como demonstra a própria Época – e talvez ainda trabalhe para Daniel Dantas.
O material está nas mãos de jornalistas da Época há meses.
Alguns dizem que, até, há cerca de um ano.
De qualquer forma, a Época poderia ter usado isso nas eleições de 2010.
A provável fonte desse material são advogados que trabalham para Daniel Dantas e outros réus da Satiagraha, e outros que trabalham para gente do PT, no “mensalão”.
Soltaram o material para a Época para enterrar a campanha do José Serra a Presidente (como se ele precisasse de ajuda para se enterrar …), e a Dilma levar ainda no primeiro turno.
Fato é que a Época não revelou antes das eleições o material que, impresso, enche um quarto.
Pode-se se especular a razão.
Talvez a Globo estivesse 100% comprometida com Serra (vide “bolinha de papel”).
Talvez não precisasse, porque a Dilma ganharia de qualquer maneira.
Talvez os amigos de Daniel Dantas dentro das Organizações Globo não tenham permitido - e assim vai.
O fato é que a bomba não detonou.
De 2 meses para cá, dois jornalistas da Época, de boa reputação, Guilherme Evelin e Wálter Nunes, resolveram retomar o assunto.
Ao analisar o conteúdo, os dois se entusiasmaram.
Acharam que tinham pela frente um Prêmio Esso de Jornalismo, pois o material revelava todo o esquema de lobby de Daniel Dantas no coração das privatizações do Governo FHC.
Guilherme e Wálter falaram com pelo menos 10 fontes.
(Uma delas é que me deu o bizu.)
Foram longas – pelo menos uma – conversas.
Longas.
Eles agitaram o mercado jornalístico.
A ponto de a revista Carta Capital do início de abril, em uma matéria sobre os juízes Macabu e Rocha Mattos, e Dantas, fazer um “P.S.2″ que dizia:
“P.S. 2: Corre a informação de que documentos inéditos e definitivos apreendidos durante a Satiagraha circulam na praça. Seriam as provas provadas da, digamos, influência político-jurídico-financeira de Dantas. E explicariam a fúria causada pela operação conduzida pelo delegado Protógenes Queiroz. Espera-se que os detentores
de tais informações tenham coragem de torná-las públicas. Embora de onde nada se espere costume nada vir.”
Nas andanças dos jornalistas de Época eles mostravam diversos documentos a suas fontes.
Coisas devastadoras como, por exemplo, a atuação de Daniel Dantas para forçar FHC a nomear Luiz Leonardo Cantidiano na CVM e, pasme, a indicar Gilmar Mendes para o Supremo.
Ambos com a missão de entender o que os advogados de Dantas dissessem.
O cano na cabeça de FHC se justificava.
Se o Presidente da República não concordasse, algumas contas no Opportunity Fund (de Dantas), aquele fundo que não poderia receber brasileiros, seriam inexplicavelmente abertas.
(E aí é que entra o livro do Amaury – personagens do Amaury devem estar na reportagem (inédita, ainda), da Época. Clique aqui para ler “O que sei do livro do Amaury”)
E provavelmente, com isso, se conheceriam os esquemas de financiamento tucano no exterior.
Seria a revelação do “MENSALÓN” tucano, só na Miami Hispânica.
Os jornalistas da Época chegaram a falar com juristas sobre como seria possível pedir um impeachment de Gilmar Mendes.
Wálter Nunes e Guilherme Evelin falaram com dirigentes de Fundos de Pensão e com o tucano Andrea Matarazzo, já que poderiam dar informações sobre os documentos.
Diziam que para era fazer uma “série” de matérias.
E que essas matérias revelariam os rumos da democracia brasileira pós-FHC.
Eles diziam às fontes consultadas que se tratava de algo mais importante do que a abertura dos papéis do Pentágono americano.
Andrea Matarazzo rapidamente convocou todo o alto tucanato.
“Juristas” falaram com os advogados de Daniel Dantas.
E os advogados de Dantas podem ter falado com Gilmar Mendes.
É uma hipótese – ainda que óbvia.
E todos foram para cima da Época.
Na redação, ficou aquele cheiro de mato queimado no ar.
De um lado, a “cúpula” pensando em como minimizar o prejuízo, sem que os jornalistas pedissem demissão e mostrassem, em outra publicação, o que tinham.
De outro, mais relevante, os criminosos que estavam sendo identificados trataram de acelerar os procedimentos para anular a Satiagraha.
Com a anulação da Operação Satiagraha, parte dos documentos apreendidos com Dantas e Amaral seria “ilegal”.
E, portanto, os crimes de toda a quadrilha que comandou o Brasil por muitos anos, ficariam provavelmente impunes.
O objetivo se transformou.
Ao invés de uma revelação jornalística histórica, as Organizações Globo e a Revista Época passaram a focar em munição para anular a Satiagraha.
Clique aqui para ler “Será que Macabu vai sepultar a Satiagraha na semana em que a Época incrimina Dantas ?”.
No STJ vieram os votos do Macabu e do Juiz Napoleão.
2×0.
São cinco juízes na turma.
Tá quase!
Mas o Ministro Gilson Dipp é sério e não votou ainda.
Não há como pressioná-lo.
O pavor da quadrilha é que os outros 2 juízes possam seguir Dipp e que Dipp dê um voto fundamentado, que repila, de vez, a bizarra anulação da Satiagraha.
Aí vem a matéria da Época deste final de semana com um título que parece a história dos 3 Porquinhos: “O financista, o consultor e “pessoa”".
Matéria convenientemente escondida na revista que já tinha um bom motivo para o escondimento: a semana era da tragédia de Realengo.
Ninguém, além daqueles que acompanham a saga de Daniel Dantas com isenção, deu repercussão à matéria.
Não saiu no JN.
O jornal O GLOBO não gastou uma linha sobre o assunto.
As Organizações Globo não falham.
E a Época fez o serviço que interessa ao Dantas:
A Época assegura que a ABIN teria feito grampos ilegais na Satiagraha, coisa que nem mesmo os advogados do Daniel Dantas argumentaram nos seus processos.
E nem o voto esquisito do Desembargador Macabu sustenta isso.
Todo o resto a Época minimizou.
Minimizou e ocultou aquilo que seria bombástico.
Colocou uns emails mequetrefes – que, porém, mostram como Dantas operava com FHC – , sem o impacto dos que os dois repórteres mostraram às fontes.
Os tais que falam do cano na cabeça do FHC, por causa do Cantidiano e do Gilmar.
Mas, ficou um recado de Dantas: OU VOCÊS ME AJUDAM A ANULAR A SATIAGRAHA, OU VAI TODO MUNDO PARA A CADEIA COMIGO !
É a nova versão do que o Ricardo Sergio de Oliveira disse na privatização do Fernando Henrique “ser der m… , estamos todos no mesmo barco”.
Tá todo mundo no mesmo barco.
É bom lembrar aos teus amigos navegantes que a Época acaba por incriminar o Gilmar, embora só se refira à Advocacia Geral da União.
E não diz que o Gilmar era, no Governo FHC, o Advogado Geral da União.
E, nessa qualidade, teria sido advogado de Dantas, para tomar a Telemig dos canadenses, como observou o meu amigo Stanley Burburinho I.
Com certeza, a “série” de matérias da Revista Época não mais vai sair.
Não vai sair mais nada.
Pelo menos até a Satiagraha ser anulada – com a mão da Justiça (?) e da Elite.
Depois disso, a Época vai publicar documentos bombásticos e já declarados ilegais.
Mas, aí, não interessa.
Passa a ser literatura policial.
“O crime compensa – no Brasl” – pode ser o título.
A menos, é claro, que as pessoas de bem resolvam revelar o que foi revelado à Época.
Revelar o que souberam, nas conversas com os repórteres da Época contaram às suas fontes.
E são muitas as fontes !
A internet está aí para isso mesmo.
Para tocar o bumbo !
A Usina de Fukushima do Brasil se chama OPPORTUNITY FUND !

Assinado,
Stanley Burburinho II, com firma reconhecida

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Deputada Mirian Rios quer proibir o sexo anal... dos outros.

Esse Roberto Carlos é muito fraquinho.
Ele foi casado com a ex atriz Miriam Rios durante anos, depois que se separaram ela virou evangélica, depois virou católica da igreja carismática e toda cheia de valores morais e éticos que todos sabem que atores da Rede Globo depois do teste do sofá não podem ter.
Fora isso ela foi ex esposa de um cirurgião plástico famoso e mãe de um filho do ator Andre Goncalves.
Isso só os conhecidos.
Ela passeou bastante por pau de homem famoso.
Da noite para o dia a mulher virou deputada pelo Rio de Janeiro contando com os votos desse povo devoto.
Espia isso.
Por falta do que fazer para agradar seus eleitores inventou um projeto que proíbe o sexo anal.
Inventou o Dia Mundial Contra o Sexo Anal.
Oia.
Anal dos outros, acho.
Esses caras da listinha ai de cima não estão com nada.
Ou podem ter afolotado a pobre.
Para ela ter esse horror todo ao sexo anal, capaz de ser trauma mesmo.
Ou foi muito ruim ou foi muito dolorido.
Mas essa louca não pode legislar sobre…

Pompoarismo não é bezerro

O pompoarismo é uma antiga técnica oriental, derivada do tantra, que consiste na contração e relaxamento dos músculos circunvaginais, buscando como resultado o prazer sexual. Para o domínio da técnica são realizados com o auxílio dos ben-wa, que consistem em pequenas bolas ligadas através de um cordão de nylon, conhecidas também como bolinhas tailandesas (no caso das mulheres), e na contração na musculatura no esfíncter e dos músculos do períneo (no caso dos homens). Afirma-se ainda que o pompoarismo pode ser benéfico contra incontinência urinária e na preparação do canal para partos mais fáceis.
Já o bezerro não é técnica nem filosofia. O bezerro que nós conhecemos bem, aqui no Amazonas, é algo espontâneo, natural, a caboca amazonense já nasce com ele. Vem de berço. Faz parte da tradição e do orgulho baré a mulher ter bezerro. Tanto que desde cedo tem disputa pra quem tem bezerro melhor, mais forte. Não é pra qualquer uma sugar, apertar, moer, triturar, prender e cuspir a hora que bem…

Manaus está na época da tanajura

A tanajura é uma formiga alada, do sexo feminino, da família das saúvas.
É uma fêmea virgem que após acasalar, funda um novo formigueiro.
Em tempos mais quentes, quando está preste a chover, sai de suas tocas para pegar uma brisa em árvores, já que, nessa época, o estresse e o calor aumentam, provocados por aquele entra-e-sai sem fim, um caos.
Nada a ver com TPM e nem com sexo.
Em Manaus a época de tanajuras é aguardada junto com o dia de finados.
Esse ano chegou atrasado.
Minha casa está cheia de tanajuras.
A bunda da tanajura é cheia de gordura, pegava um monte delas e assava em frigideira.
Uma delicia.
Comia bunda literalmente.
Agora não.
As coisas mudaram.
Ando meio saudosista.
Tanajuras espalhadas pelo pátio da minha casa me enchem de lembranças da infância.
Ainda bem que eu tive.
E acho que parei nela.
Felizmente!