Pular para o conteúdo principal

A inveja deu no Largo do Robério


Para as pessoas invejosas, despeitadas que insistem em dizer que o arquisecretário vitalício renascentista de Corte e Costura do Amazonas Robério Braga não gosta de cultura popular ou de seres humanos nascidos na região, vai acontecer no palco do Teatro Amazonas o primeiro Festival de Rituais Indígenas da Amazônia (FERINA).
Como tudo que o secretário faz, esse festival também terá seu toque cosmopolita.
Os rituais serão apresentados por companhias de balé da Europa que vão fazer uma releitura das tradicionais manifestações culturais.
Na primeira noite será o Ritual da Tucandeira, ritual indígena da tribo Sateré Mawé , executado pela Royal Institute and Dancing The Budapeste. No ritual real o índio sateré-mawé, para provar sua força, coragem e resistência à dor, deve se deixar ferrar no mínimo 20 vezes, colocando as mãos dentro da luva da tucandeira (saaripé). As tucandeiras são formigas grandes com ferrão muito dolorido que, na véspera do ritual, são capturadas vivas e conservadas num bambu.
A técnica encontrada para realizar o ritual sem ferir os bailarinos de Budapeste é drogar as tucandeiras com “dirijo”, maconha em linguagem local, sob o risco de eles terem uma parada cardiorrespiratória devido à dor. Porem foi tudo planejado com o pajé do boi-bumbá Caprichoso, especialista em efeitos especiais.
No segundo dia será a vez do Kuarup, ritual indígena do Xingu. Kuarup é um ritual dos grupos indígenas do Parque do Xingu para homenagear os mortos. Os troncos feitos da madeira “kuarup” são a representação concreta do espírito dos mortos ilustres. A festa corresponderia a cerimônia de finados do homem branco, entretanto, o Kuarup é uma festa alegre, afirmadora, exuberante, onde cada um coloca a sua melhor vestimenta na pele.
Esse ritual será executado pela Royal Academy and Dancing of Londres e contará com efeitos especiais de Steven Spielberg e a musica ficará sob a chancela da Orquestra Filarmonica de Nova York.
Na ocasião serão homenageadas as etnias representadas no festival que terão lugar reservado especialmente no terceiro e quarto piso do teatro de onde poderão ver melhor o cocar dos bailarinos por cima, já que os lugares da platéia principal são tombados pelo patrimônio estórico, são vitalícios para a família e convidados especiais e globais do arquisecretário Roberio Braga.
Para não falarem que é festa prive bancada com dinheiro publico, o governador verde do Amazonas, Eduardo Braga, que completa a dinastia Braga junto com a Ana Maria Braga, vai distribuir ingressos de forma generosa entre as ONGS que pululam na região, afinal eles também são brancos e merecem participar dessa evento peculiar. Durante o festival, para calar a boca dessa gentalha colonizada e sem sonhos, estará a disposição dos convidados para passeios noturnos a carruagem de uso próprio do secretário.
Ela é maraaaa.
Tem ar-condicionado, frigobar, laptop embutido conectado a internet, tv de LED, DVD player e Playstation 3.
E esse povo mesquinho ainda fala que o uísque é por conta do contribuinte.
Ohhh povo feeeio.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Deputada Mirian Rios quer proibir o sexo anal... dos outros.

Esse Roberto Carlos é muito fraquinho.
Ele foi casado com a ex atriz Miriam Rios durante anos, depois que se separaram ela virou evangélica, depois virou católica da igreja carismática e toda cheia de valores morais e éticos que todos sabem que atores da Rede Globo depois do teste do sofá não podem ter.
Fora isso ela foi ex esposa de um cirurgião plástico famoso e mãe de um filho do ator Andre Goncalves.
Isso só os conhecidos.
Ela passeou bastante por pau de homem famoso.
Da noite para o dia a mulher virou deputada pelo Rio de Janeiro contando com os votos desse povo devoto.
Espia isso.
Por falta do que fazer para agradar seus eleitores inventou um projeto que proíbe o sexo anal.
Inventou o Dia Mundial Contra o Sexo Anal.
Oia.
Anal dos outros, acho.
Esses caras da listinha ai de cima não estão com nada.
Ou podem ter afolotado a pobre.
Para ela ter esse horror todo ao sexo anal, capaz de ser trauma mesmo.
Ou foi muito ruim ou foi muito dolorido.
Mas essa louca não pode legislar sobre…

Pompoarismo não é bezerro

O pompoarismo é uma antiga técnica oriental, derivada do tantra, que consiste na contração e relaxamento dos músculos circunvaginais, buscando como resultado o prazer sexual. Para o domínio da técnica são realizados com o auxílio dos ben-wa, que consistem em pequenas bolas ligadas através de um cordão de nylon, conhecidas também como bolinhas tailandesas (no caso das mulheres), e na contração na musculatura no esfíncter e dos músculos do períneo (no caso dos homens). Afirma-se ainda que o pompoarismo pode ser benéfico contra incontinência urinária e na preparação do canal para partos mais fáceis.
Já o bezerro não é técnica nem filosofia. O bezerro que nós conhecemos bem, aqui no Amazonas, é algo espontâneo, natural, a caboca amazonense já nasce com ele. Vem de berço. Faz parte da tradição e do orgulho baré a mulher ter bezerro. Tanto que desde cedo tem disputa pra quem tem bezerro melhor, mais forte. Não é pra qualquer uma sugar, apertar, moer, triturar, prender e cuspir a hora que bem…

Manaus está na época da tanajura

A tanajura é uma formiga alada, do sexo feminino, da família das saúvas.
É uma fêmea virgem que após acasalar, funda um novo formigueiro.
Em tempos mais quentes, quando está preste a chover, sai de suas tocas para pegar uma brisa em árvores, já que, nessa época, o estresse e o calor aumentam, provocados por aquele entra-e-sai sem fim, um caos.
Nada a ver com TPM e nem com sexo.
Em Manaus a época de tanajuras é aguardada junto com o dia de finados.
Esse ano chegou atrasado.
Minha casa está cheia de tanajuras.
A bunda da tanajura é cheia de gordura, pegava um monte delas e assava em frigideira.
Uma delicia.
Comia bunda literalmente.
Agora não.
As coisas mudaram.
Ando meio saudosista.
Tanajuras espalhadas pelo pátio da minha casa me enchem de lembranças da infância.
Ainda bem que eu tive.
E acho que parei nela.
Felizmente!