Pular para o conteúdo principal

Quando a pessoa toma nojo


Tem coisa que não entra nem pagando quando a gente passa por uma experiência traumática.
O Ronaldinho Gaúcho, por exemplo, nunca mais vai querer jogar no Flamengo e dizer que é flamenguista desde pequeno, beijar o escudo e dizer que virou Ronaldinho Carioca.
Japonês que pega loira, por exemplo, esse vai pensar duas vezes antes de ir no puteiro pegar a amiga da esposa loira, só de pensar em virar picadinho e caber dentro de uma mala, o japa fica ligado.
Duvido que o mesmo japa não vá ficar traumatizado em ver na novela Avenida Brasil o Cadinho pegar mulher de penca e elas só fazem barulho feito maritacas, mas convivem harmoniosamente numa boa sem a menor pretensão de esquartejar e colocar em uma mala o pobre coitado.
A minha experiência traumática, e tenho certeza caro amigo navegante, que todo mundo tem uma, é tartaruga e Montilla.
Juntos ou separados.
Esses dois itens nem com nojo, como diz o caboco.
Esse trauma veio da adolescência onde se começam os grandes vícios.
Fui chamado para uma festinha regada a tartarugada em uma época que comer tartaruga na Amazônia não era crime nem dava culpa.
As tartarugas amazônicas são imensas e o que sobra no casco é hábito fazer um tal de sarapatel misturado ao sangue ou sei lá o que.
Coisa de gente primitiva relembrando a brutalidade dos tempos das cavernas.
E nessas de ir degustando a tartaruga item a item, para rebater a bebida da moda era run Montilla, uma tal de Cuba Libre, run com Coca-Cola e limão.
Quando a gente é jovem e tem saúde faz tudo exageradamente.
Se apaixona exageradamente, parece que a cada paixão vai morrer e esquece que semana passada a paixão era outra.
Vive como se cada dia fosse ser o ultimo e que só assim vale a pena viver.
Quanta saudade dessa inocência e ignorância maravilhosa.
Lá pelas tantas começou a dar um enjoo e um siricutico no buxo.
Só deu tempo de correr para o banheiro, arriar as calças e desovar.
Desovava e vomitava.
Quanto mais eu vomitava e desovava, mais eu desovava e vomitava.
Foi tanto que até os braços caíram ao largo, sem forças para levantar e nem para me limpar.
Que situação!
Cheguei a pedir a um Deus que sequer eu acredito que me levasse.
Tava dando não!
Fiquei horas abandonado naquele banheiro fétido porque nenhuma viva alma quer sua companhia numa situação calamitosa dessas.
Quando sai de lá horas depois todo combalido jurei para mim mesmo que nunca mais ia beber na vida e nunca mais ia comer tartaruga.
Beber eu continuei, mas Montilla não posso nem ver o rotulo.
O resto eu traço.
Quanto a tartaruga mando prender quem vier me oferecer.
Essa é minha contribuição para o planeta e para o Rio+20.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Deputada Mirian Rios quer proibir o sexo anal... dos outros.

Esse Roberto Carlos é muito fraquinho.
Ele foi casado com a ex atriz Miriam Rios durante anos, depois que se separaram ela virou evangélica, depois virou católica da igreja carismática e toda cheia de valores morais e éticos que todos sabem que atores da Rede Globo depois do teste do sofá não podem ter.
Fora isso ela foi ex esposa de um cirurgião plástico famoso e mãe de um filho do ator Andre Goncalves.
Isso só os conhecidos.
Ela passeou bastante por pau de homem famoso.
Da noite para o dia a mulher virou deputada pelo Rio de Janeiro contando com os votos desse povo devoto.
Espia isso.
Por falta do que fazer para agradar seus eleitores inventou um projeto que proíbe o sexo anal.
Inventou o Dia Mundial Contra o Sexo Anal.
Oia.
Anal dos outros, acho.
Esses caras da listinha ai de cima não estão com nada.
Ou podem ter afolotado a pobre.
Para ela ter esse horror todo ao sexo anal, capaz de ser trauma mesmo.
Ou foi muito ruim ou foi muito dolorido.
Mas essa louca não pode legislar sobre…

Manaus está na época da tanajura

A tanajura é uma formiga alada, do sexo feminino, da família das saúvas.
É uma fêmea virgem que após acasalar, funda um novo formigueiro.
Em tempos mais quentes, quando está preste a chover, sai de suas tocas para pegar uma brisa em árvores, já que, nessa época, o estresse e o calor aumentam, provocados por aquele entra-e-sai sem fim, um caos.
Nada a ver com TPM e nem com sexo.
Em Manaus a época de tanajuras é aguardada junto com o dia de finados.
Esse ano chegou atrasado.
Minha casa está cheia de tanajuras.
A bunda da tanajura é cheia de gordura, pegava um monte delas e assava em frigideira.
Uma delicia.
Comia bunda literalmente.
Agora não.
As coisas mudaram.
Ando meio saudosista.
Tanajuras espalhadas pelo pátio da minha casa me enchem de lembranças da infância.
Ainda bem que eu tive.
E acho que parei nela.
Felizmente!

Pompoarismo não é bezerro

O pompoarismo é uma antiga técnica oriental, derivada do tantra, que consiste na contração e relaxamento dos músculos circunvaginais, buscando como resultado o prazer sexual. Para o domínio da técnica são realizados com o auxílio dos ben-wa, que consistem em pequenas bolas ligadas através de um cordão de nylon, conhecidas também como bolinhas tailandesas (no caso das mulheres), e na contração na musculatura no esfíncter e dos músculos do períneo (no caso dos homens). Afirma-se ainda que o pompoarismo pode ser benéfico contra incontinência urinária e na preparação do canal para partos mais fáceis.
Já o bezerro não é técnica nem filosofia. O bezerro que nós conhecemos bem, aqui no Amazonas, é algo espontâneo, natural, a caboca amazonense já nasce com ele. Vem de berço. Faz parte da tradição e do orgulho baré a mulher ter bezerro. Tanto que desde cedo tem disputa pra quem tem bezerro melhor, mais forte. Não é pra qualquer uma sugar, apertar, moer, triturar, prender e cuspir a hora que bem…