Pular para o conteúdo principal

A Sinhazinha da Fazenda é contra o sistema de cotas... Disque!

Para a Sinhazinha da Fazenda, pimenta no tablet alheio é Ipod.
Talvez nesse linguajar a Sinhazinha da Fazenda consiga parar de ficar zangada por causa do sistema de cotas raciais e o sistema de cotas publicas aprovado pela Dilma.
Para a Sinhazinha da Fazenda o game está bom.
A senzala que estrebuche.
Afinal, "se o preto Joaquim Barbosa conseguiu ser ministro do STF saindo da camada pobre da sociedade, então qualquer um pode também", pensa ela.
A Sinhazinha da Fazenda está super feliz com o Batman preto Joaquim Barbosa porque ele está condenando a “corja do PT”.
E de lambuja serve de exemplo para a campanha contra as cotas.
Afinal, para a Sinhazinha da Fazenda e a turma dela, que habitam o filé mignon das terras brasilis, ser contra partido trabalhista e contra os sonhos das favelas senzalas é uma atitude compreensível.
O Ali Kamel, grão mestre do “jornalismo” da Rede Globo, encabeça a campanha contra as cotas, inclusive até escreveu um livro chamado “Não somos racistas”.
A obra de Kamel parte da premissa de que, como, cientificamente, não há raças, também não pode haver racismo.
É o tipo de discurso baseado em descolamento social que faz muito sucesso no Baixo Leblon e no Posto 9 de Ipanema, mas se torna uma sacanagem quando se trata de analisar a vida dos negros pobres apinhados nas periferias das grandes cidades.
Uma sociedade com um atraso social de quinhentos anos com seus pretos ocupando 90% da camada mais baixa da injusta pirâmide social brasileira, dizer que dá para mudar isso sem alguma compensação, só a Sinhazinha da Fazenda e a turma do Ali Kamel mesmo.
Bizarro é ver gente das classes menos privilegiadas, caboquinhos barezinhos mal saídos da faixa da pobreza, ainda longe de ser chamado “novo rico”, embarcar nessas ideias de jerico.
Ai é dose!
Só porque comprou um tablet Samsung, nem Ipad é.
Tem até um movimento no Facebook chamado “Cansei da Cota”, puxado por um bando de desocupados sem noção.
Pensam que a Cota é aquela menina chata de não sei o que não sei o que lá.
Tudo pobre e leso!
Voltando a Sinhazinha da Fazenda, o tablet dela já levou muita chinelada de negão.
Portanto se o tablet dela deu chance para a chinelada do negão, então não precisa de cotas.
É só todo mundo dar.
Oras.
Né não?

Comentários

Pedro Guilherme disse…
Caros leitores venho informar que a opinião apresentada no site se mostra sem a menor linha de raciocinio pois tenta mostrar que as cotas são uma especie de vingança da população negra, e que as classes mais abastadas tem medo de perdeer o poder. Entretanto o escritor deste artigo esquece que o verdadeiro problema esta nas escolas públicas que ñ dão a devida capacidade para que o aluno passe por conta propria, isto sim devia ser tratado, e ñ uma lei q coloca pessoas despreparadas em cursos q pedem obrigatoriamente um conhecimento previo, portanto é muito bonito quando se fala em oportunidades para todos so que tais oportunidades tem dada ser dadas para todos, e ñ se deve julgar a pessoas, pois afinal de conta o malvado branco é obrigado a pagar impostos como o pobre q mora na favela, ele paga tanto para o funcionamento da escola pública quanto a escola particular para q seu filho seja capaz de ter uma educação melhor q dada pelo governo.

Postagens mais visitadas deste blog

Pompoarismo não é bezerro

O pompoarismo é uma antiga técnica oriental, derivada do tantra, que consiste na contração e relaxamento dos músculos circunvaginais, buscando como resultado o prazer sexual. Para o domínio da técnica são realizados com o auxílio dos ben-wa, que consistem em pequenas bolas ligadas através de um cordão de nylon, conhecidas também como bolinhas tailandesas (no caso das mulheres), e na contração na musculatura no esfíncter e dos músculos do períneo (no caso dos homens). Afirma-se ainda que o pompoarismo pode ser benéfico contra incontinência urinária e na preparação do canal para partos mais fáceis.
Já o bezerro não é técnica nem filosofia. O bezerro que nós conhecemos bem, aqui no Amazonas, é algo espontâneo, natural, a caboca amazonense já nasce com ele. Vem de berço. Faz parte da tradição e do orgulho baré a mulher ter bezerro. Tanto que desde cedo tem disputa pra quem tem bezerro melhor, mais forte. Não é pra qualquer uma sugar, apertar, moer, triturar, prender e cuspir a hora que bem…

Deputada Mirian Rios quer proibir o sexo anal... dos outros.

Esse Roberto Carlos é muito fraquinho.
Ele foi casado com a ex atriz Miriam Rios durante anos, depois que se separaram ela virou evangélica, depois virou católica da igreja carismática e toda cheia de valores morais e éticos que todos sabem que atores da Rede Globo depois do teste do sofá não podem ter.
Fora isso ela foi ex esposa de um cirurgião plástico famoso e mãe de um filho do ator Andre Goncalves.
Isso só os conhecidos.
Ela passeou bastante por pau de homem famoso.
Da noite para o dia a mulher virou deputada pelo Rio de Janeiro contando com os votos desse povo devoto.
Espia isso.
Por falta do que fazer para agradar seus eleitores inventou um projeto que proíbe o sexo anal.
Inventou o Dia Mundial Contra o Sexo Anal.
Oia.
Anal dos outros, acho.
Esses caras da listinha ai de cima não estão com nada.
Ou podem ter afolotado a pobre.
Para ela ter esse horror todo ao sexo anal, capaz de ser trauma mesmo.
Ou foi muito ruim ou foi muito dolorido.
Mas essa louca não pode legislar sobre…

Manaus está na época da tanajura

A tanajura é uma formiga alada, do sexo feminino, da família das saúvas.
É uma fêmea virgem que após acasalar, funda um novo formigueiro.
Em tempos mais quentes, quando está preste a chover, sai de suas tocas para pegar uma brisa em árvores, já que, nessa época, o estresse e o calor aumentam, provocados por aquele entra-e-sai sem fim, um caos.
Nada a ver com TPM e nem com sexo.
Em Manaus a época de tanajuras é aguardada junto com o dia de finados.
Esse ano chegou atrasado.
Minha casa está cheia de tanajuras.
A bunda da tanajura é cheia de gordura, pegava um monte delas e assava em frigideira.
Uma delicia.
Comia bunda literalmente.
Agora não.
As coisas mudaram.
Ando meio saudosista.
Tanajuras espalhadas pelo pátio da minha casa me enchem de lembranças da infância.
Ainda bem que eu tive.
E acho que parei nela.
Felizmente!