Pular para o conteúdo principal

Praga Quechua pega em barezinho

Na noite do primeiro dia em Cusco, o Soroche já havia se instalado dentro da minha alma Baré. O treco estava tão pesado que fiquei com saudade da minha boa e gostosa leseira.
Tomei remédio comprado nas boticas (drogaria em Cusco), tomei bules e bules de chá de folha de coca, parei de falar andando, e nada.
Resolvi apelar para algum deus Quechua já que o maleficio do Soroche é coisa da montanha deles.
Perguntei ao garçon qual o deus supremo dos quechuas e ele respondeu “Viracocha”.
Eu no meu desespero comecei pedir em português para o Seo Viracocha que desse um jeitinho no meu Soroche.
Deu certo!
Melhorei e sai com a Rosinha pela noite de Cusco doido para beber mais umas brejas.
O nome do deus Viracocha virou uma delícia na minha boca. Tudo que eu falava tinha Viracocha no meio.
Pedia uma cerveja e jogava no chão um gole para o santo Viracocha.
Daqui a pouco já estava pedindo cerveja Viracocha, aquela que você bebe e vira a coxa.
E por ai vai, na sacanagem.
Quando bebi a quinta cerveja senti um badalo na cabeça dizendo que o Soroche estava voltando.
Fui para o hotel andando lentamente sem poder respirar a cada passo que dava no frio de 4 graus da noite cusquenha. Cheguei ao hotel e passei uma noite horrorosa até o tucupi de Soroche.
No dia seguinte, 23 de junho, véspera da Festa do Sol ou Inti Raymi para os quechuas, também tinha o jogo do Brasil. Acordei animadão empolgado com a festa de Cusco e o jogo.
A rua estava repleta de nativos com trajes típicos e fantasias, divididos em blocos como se fosse no carnaval de rua no Brasil.
Vi passar na frente do hotel um bloco de mascarados narigudos beberrões batucando pela rua e corri para fotografar. Na corrida caiu o meu celular da minha calça sem que eu notasse.
Um a zero para o Viracocha.
A noite, mesmo com o Soroche zunindo na cabeça encarnei com a Rosinha para a gente sair e ver os nativos festejando o Inti Raymi pela noite adentro. Vi um grupo de músicos tocando músicas andinas com violões e flautas, achei lindo e fui fotografar no meio deles. Um grupo de pivetes quéchuas sorrateiramente roubaram a minha câmera da pochete que uso para guardar.
Dois a zero para o Viracocha.
Depois de dois dias, na volta para a Barelândia, no hotel em Lima, fui sacar meu passaporte do casaco e nada. Perdi.
Três a zero para o Viracocha. Tava virando goleada.
Lembrei que no aeroporto em Lima diante da esteira de bagagens, tirei minha jaqueta de frio e enrolei na cintura. O passaporte deve ter caído ali.
Lembro de ter olhado para trás e ver um nativo quéchua com o rosto pintado sorrindo para mim e eu respondi com outro sorriso e um “Holá”.
Falei isso para a Rosa no hotel e ela a jura não ter visto quéchua pintado no aeroporto porra nenhuma.
Ahhhhhhhhhhhhhhhhh se eu pego esse tal de Viracocha!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pompoarismo não é bezerro

O pompoarismo é uma antiga técnica oriental, derivada do tantra, que consiste na contração e relaxamento dos músculos circunvaginais, buscando como resultado o prazer sexual. Para o domínio da técnica são realizados com o auxílio dos ben-wa, que consistem em pequenas bolas ligadas através de um cordão de nylon, conhecidas também como bolinhas tailandesas (no caso das mulheres), e na contração na musculatura no esfíncter e dos músculos do períneo (no caso dos homens). Afirma-se ainda que o pompoarismo pode ser benéfico contra incontinência urinária e na preparação do canal para partos mais fáceis.
Já o bezerro não é técnica nem filosofia. O bezerro que nós conhecemos bem, aqui no Amazonas, é algo espontâneo, natural, a caboca amazonense já nasce com ele. Vem de berço. Faz parte da tradição e do orgulho baré a mulher ter bezerro. Tanto que desde cedo tem disputa pra quem tem bezerro melhor, mais forte. Não é pra qualquer uma sugar, apertar, moer, triturar, prender e cuspir a hora que bem…

Deputada Mirian Rios quer proibir o sexo anal... dos outros.

Esse Roberto Carlos é muito fraquinho.
Ele foi casado com a ex atriz Miriam Rios durante anos, depois que se separaram ela virou evangélica, depois virou católica da igreja carismática e toda cheia de valores morais e éticos que todos sabem que atores da Rede Globo depois do teste do sofá não podem ter.
Fora isso ela foi ex esposa de um cirurgião plástico famoso e mãe de um filho do ator Andre Goncalves.
Isso só os conhecidos.
Ela passeou bastante por pau de homem famoso.
Da noite para o dia a mulher virou deputada pelo Rio de Janeiro contando com os votos desse povo devoto.
Espia isso.
Por falta do que fazer para agradar seus eleitores inventou um projeto que proíbe o sexo anal.
Inventou o Dia Mundial Contra o Sexo Anal.
Oia.
Anal dos outros, acho.
Esses caras da listinha ai de cima não estão com nada.
Ou podem ter afolotado a pobre.
Para ela ter esse horror todo ao sexo anal, capaz de ser trauma mesmo.
Ou foi muito ruim ou foi muito dolorido.
Mas essa louca não pode legislar sobre…

Manaus está na época da tanajura

A tanajura é uma formiga alada, do sexo feminino, da família das saúvas.
É uma fêmea virgem que após acasalar, funda um novo formigueiro.
Em tempos mais quentes, quando está preste a chover, sai de suas tocas para pegar uma brisa em árvores, já que, nessa época, o estresse e o calor aumentam, provocados por aquele entra-e-sai sem fim, um caos.
Nada a ver com TPM e nem com sexo.
Em Manaus a época de tanajuras é aguardada junto com o dia de finados.
Esse ano chegou atrasado.
Minha casa está cheia de tanajuras.
A bunda da tanajura é cheia de gordura, pegava um monte delas e assava em frigideira.
Uma delicia.
Comia bunda literalmente.
Agora não.
As coisas mudaram.
Ando meio saudosista.
Tanajuras espalhadas pelo pátio da minha casa me enchem de lembranças da infância.
Ainda bem que eu tive.
E acho que parei nela.
Felizmente!