Pular para o conteúdo principal

Meninos que brincam com bonecas


Apesar de acreditar cegamente no que dizem as igrejas evangélicas apocalípticas dos santos dos últimos dias, nos cientistas ambientalistas fundamentalistas e sua teoria do caos e até no que diz meu intestino quando eu bebo leite, não acreditei quando o Correio veio entregar minha boneca inflável nova. Logo eu, uma pessoa crédula, que acredita em tudo, desde políticos em época eleitoral, em mulher e em Papai Noel, duvidei que fosse verdade. Enfim, minha boneca inflável ultimo tipo chegou. Embora empenada por conta do calor dentro da embalagem, culpa do aquecimento global.
Tudo na vida é substituível, é reciclável, e na pós modernidade, tudo o que demorar por mais de duas horas é velho, antiquado, ultrapassado. Na lógica da pós modernidade o intervalo de duração entre o que é novo, moderno, atual, e o que é antigo, velho, ultrapassado, é muito curto. Em um piscar de olhos você dorme Angelina Jolie e acorda Hebe Camargo. Tudo é ligeiro, apressado, instantâneo que nem leite e expresso que nem café.
Gosto de me pensar uma pessoa conservadora, que acredita em certos valores, como família, tradição, propriedade, e em bens confiáveis, tais como a durabilidade dos cosméticos, da necesset, da polchete e do lap top. Portanto não foi por influência do comportamento contemporâneo pós moderno que tomei a decisão de trocar de companheira, e sim porque a minha antiga parceira estava desgastada, esgarçada, estropiada e toda cheia de buracos de cigarro depois de tantos anos de uso. Uma lástima. Aquele ar de indiferença típico de nova-iorquino, aquela boca eternamente aberta (estou falando da boneca inflável), me levavam a loucura. Toda vez que eu acabava de dar uma sapecada nela e perguntava à clássica “Você gozou?” e vê-la silenciosa com a boca escancarada e olhar blasé, isso me irritava profundamente.
Essa boneca nova é diferente. Ela tem vida própria, personalidade, caráter e está inserida na consciência ambientalista politicamente correta do mundo pós moderno.
Ela é toda feita de silicone reciclável, retirado das bundas e peitos de travestis e peruas mortas que doaram seus órgãos em um gesto final de consciência neo ambiental. Ela é toda ajustável, não é uma desajustada como as ultimas namoradas que tive. Se quiser eu posso aumentar o peito e diminuir a xota ou vice-versa, ela fala coisas que eu gosto de ouvir, ou não. Se quiser posso até programá-la para mentir, como toda mulher, e falar que tenho pau grande, que sou gostoso e algo mais.
No próximo workshop sobre meio ambiente que eu for, em algum balneário charmoso, longe da pobreza e mais perto do glamour que esses eventos são cercados, vou levar minha boneca nova para apresentá-la para a sociedade cientifica. Como esses encontros geralmente são perto da orla marítima, vou testar mais uma qualidade da minha bonequinha. Diz no folheto do site de venda on-line que ela vira sofá cama e serve de salva vidas. Isso para o caso de não ter cama nos hotéis, ou para o caso de que alguma profecia sobre o fim do mundo apregoado pelos ambientalistas se concretizem. Afinal perto do mar pode ser que venha algum tsunami gigante. Para esperar que algo de novo aconteça no reino dos workshops ambientalistas, vou bebendo tsunamis de cerveja mesmo, na excelente companhia da minha nova namorada hi-tech. Nunca se sabe, né não?!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pompoarismo não é bezerro

O pompoarismo é uma antiga técnica oriental, derivada do tantra, que consiste na contração e relaxamento dos músculos circunvaginais, buscando como resultado o prazer sexual. Para o domínio da técnica são realizados com o auxílio dos ben-wa, que consistem em pequenas bolas ligadas através de um cordão de nylon, conhecidas também como bolinhas tailandesas (no caso das mulheres), e na contração na musculatura no esfíncter e dos músculos do períneo (no caso dos homens). Afirma-se ainda que o pompoarismo pode ser benéfico contra incontinência urinária e na preparação do canal para partos mais fáceis.
Já o bezerro não é técnica nem filosofia. O bezerro que nós conhecemos bem, aqui no Amazonas, é algo espontâneo, natural, a caboca amazonense já nasce com ele. Vem de berço. Faz parte da tradição e do orgulho baré a mulher ter bezerro. Tanto que desde cedo tem disputa pra quem tem bezerro melhor, mais forte. Não é pra qualquer uma sugar, apertar, moer, triturar, prender e cuspir a hora que bem…

Deputada Mirian Rios quer proibir o sexo anal... dos outros.

Esse Roberto Carlos é muito fraquinho.
Ele foi casado com a ex atriz Miriam Rios durante anos, depois que se separaram ela virou evangélica, depois virou católica da igreja carismática e toda cheia de valores morais e éticos que todos sabem que atores da Rede Globo depois do teste do sofá não podem ter.
Fora isso ela foi ex esposa de um cirurgião plástico famoso e mãe de um filho do ator Andre Goncalves.
Isso só os conhecidos.
Ela passeou bastante por pau de homem famoso.
Da noite para o dia a mulher virou deputada pelo Rio de Janeiro contando com os votos desse povo devoto.
Espia isso.
Por falta do que fazer para agradar seus eleitores inventou um projeto que proíbe o sexo anal.
Inventou o Dia Mundial Contra o Sexo Anal.
Oia.
Anal dos outros, acho.
Esses caras da listinha ai de cima não estão com nada.
Ou podem ter afolotado a pobre.
Para ela ter esse horror todo ao sexo anal, capaz de ser trauma mesmo.
Ou foi muito ruim ou foi muito dolorido.
Mas essa louca não pode legislar sobre…

Manaus está na época da tanajura

A tanajura é uma formiga alada, do sexo feminino, da família das saúvas.
É uma fêmea virgem que após acasalar, funda um novo formigueiro.
Em tempos mais quentes, quando está preste a chover, sai de suas tocas para pegar uma brisa em árvores, já que, nessa época, o estresse e o calor aumentam, provocados por aquele entra-e-sai sem fim, um caos.
Nada a ver com TPM e nem com sexo.
Em Manaus a época de tanajuras é aguardada junto com o dia de finados.
Esse ano chegou atrasado.
Minha casa está cheia de tanajuras.
A bunda da tanajura é cheia de gordura, pegava um monte delas e assava em frigideira.
Uma delicia.
Comia bunda literalmente.
Agora não.
As coisas mudaram.
Ando meio saudosista.
Tanajuras espalhadas pelo pátio da minha casa me enchem de lembranças da infância.
Ainda bem que eu tive.
E acho que parei nela.
Felizmente!