Pular para o conteúdo principal

A elegância discreta da barezinha model

Acordei de uma noite feliz em que tomei todas as brejas com meu amorzinho e uma amiga na tranquilidade do lar ouvindo as canções que curto sem ser importunado por bêbados felizes.
Bêbado feliz só eu nessa porra.
Sai para ir no mercadinho do Japonês ladrão comprar umas coisinhas aproveitando a manhã azul da Barelândia que as vezes é blues.
Pus meu óculos escuro “Tou nem ai” e meu headphone JBL de altíssima qualidade sonora e rodei no celular Fox Lady do Jimi Hendrix gravado ao vivo no estúdio da BBC de Londres nos idos de 1969. Eu tinha 8 anos à época, mas hoje entendo tudinho.
Pelas ruas os carros passavam por mim reluzentes com seus vidros fechados e escuros e seu ar-condicionado ligado, e eu cantando Fox Lady aos berros enquanto caminhava pelas calçadas esburacadas dessa Barelândia sem calçadas.
Com esse espirito meio que roqueinrol comecei a catar nas prateleiras do Japonês ladrão as mercadorias do cotidiano. Quando estava me dirigindo ao caixa senti uma fisgada no pé da barriga sinalizando que tinha charuto pendurado na beira do beiço. Lembrei que na pressa feliz tomei uma xícara de café com leite e esqueci de arriar o barro. Toda vez que bebo leite tenho que estar a dois metros de algum vaso sanitário.
Entrei na fila do caixa com esse espirito de porco querendo desovar.
Fiquei pensando amenidades tipo olhando para o céu azul e perguntando “Será que vai chover?” na inútil tentativa de enganar minhas tripas.
A fila andou e cheguei ao caixa e nessa hora, sem aviso algum e sem controle, soltei um peido sem querer. Daqueles melados carregados de dióxido de cachaça misturada com tira-gostos deliciosos das noites cheias de brejas.
O óculos escuro ajuda a segurar a cara dura e assim o fiz. Mantive a fleuma, a elegância, a fineza, a delicadeza e agradeci a moça do caixa. Ela retribuiu com um sorriso amarelo no rosto meio envergonhado sem saber de onde vinha aquele cheiro fétido.
Olhei para a pessoa que estava atrás de mim na fila com uma certa piedade no coração, mas com cara de "Foi você?".
Não podia dar bandeira. Jamais!
Uma moça também de óculos escuro, elegante, fina, delicada, com cara de moradora dos condomínios caros do entorno do mercadinho do Japonês ladrão.
Não notei no rosto dela qualquer sintoma de ter cheirado um peido horroroso de pudim de cachaça.
Quanta elegância, meu deusio!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Deputada Mirian Rios quer proibir o sexo anal... dos outros.

Esse Roberto Carlos é muito fraquinho.
Ele foi casado com a ex atriz Miriam Rios durante anos, depois que se separaram ela virou evangélica, depois virou católica da igreja carismática e toda cheia de valores morais e éticos que todos sabem que atores da Rede Globo depois do teste do sofá não podem ter.
Fora isso ela foi ex esposa de um cirurgião plástico famoso e mãe de um filho do ator Andre Goncalves.
Isso só os conhecidos.
Ela passeou bastante por pau de homem famoso.
Da noite para o dia a mulher virou deputada pelo Rio de Janeiro contando com os votos desse povo devoto.
Espia isso.
Por falta do que fazer para agradar seus eleitores inventou um projeto que proíbe o sexo anal.
Inventou o Dia Mundial Contra o Sexo Anal.
Oia.
Anal dos outros, acho.
Esses caras da listinha ai de cima não estão com nada.
Ou podem ter afolotado a pobre.
Para ela ter esse horror todo ao sexo anal, capaz de ser trauma mesmo.
Ou foi muito ruim ou foi muito dolorido.
Mas essa louca não pode legislar sobre…

Pompoarismo não é bezerro

O pompoarismo é uma antiga técnica oriental, derivada do tantra, que consiste na contração e relaxamento dos músculos circunvaginais, buscando como resultado o prazer sexual. Para o domínio da técnica são realizados com o auxílio dos ben-wa, que consistem em pequenas bolas ligadas através de um cordão de nylon, conhecidas também como bolinhas tailandesas (no caso das mulheres), e na contração na musculatura no esfíncter e dos músculos do períneo (no caso dos homens). Afirma-se ainda que o pompoarismo pode ser benéfico contra incontinência urinária e na preparação do canal para partos mais fáceis.
Já o bezerro não é técnica nem filosofia. O bezerro que nós conhecemos bem, aqui no Amazonas, é algo espontâneo, natural, a caboca amazonense já nasce com ele. Vem de berço. Faz parte da tradição e do orgulho baré a mulher ter bezerro. Tanto que desde cedo tem disputa pra quem tem bezerro melhor, mais forte. Não é pra qualquer uma sugar, apertar, moer, triturar, prender e cuspir a hora que bem…

Manaus está na época da tanajura

A tanajura é uma formiga alada, do sexo feminino, da família das saúvas.
É uma fêmea virgem que após acasalar, funda um novo formigueiro.
Em tempos mais quentes, quando está preste a chover, sai de suas tocas para pegar uma brisa em árvores, já que, nessa época, o estresse e o calor aumentam, provocados por aquele entra-e-sai sem fim, um caos.
Nada a ver com TPM e nem com sexo.
Em Manaus a época de tanajuras é aguardada junto com o dia de finados.
Esse ano chegou atrasado.
Minha casa está cheia de tanajuras.
A bunda da tanajura é cheia de gordura, pegava um monte delas e assava em frigideira.
Uma delicia.
Comia bunda literalmente.
Agora não.
As coisas mudaram.
Ando meio saudosista.
Tanajuras espalhadas pelo pátio da minha casa me enchem de lembranças da infância.
Ainda bem que eu tive.
E acho que parei nela.
Felizmente!