Pular para o conteúdo principal

A vantagem de ter vários vícios


Desde a última era glacial, em que os mamutes e o bicho-preguiça gigante foram extintos da face da terra pelo primitivo homo sapiens, ascentral do homossexual moderno, que pululam de galho em galho nas redações dos jornais, no senado da república, pela câmara federal, pelos tatames de jiu-jitsu, o homem enquanto sociedade buscando o refinamento do convívio social, o apuramento das relações interpessoais baseadas na esculhambação da lei do “eu derrubei o sabonete mas quem pega é tu”, nunca viveu um período de tanto descaramento e esgarçamento das normas ( Menos a Norma Araújo, ela é chic, é outsider, é a nossa quatrocentona baré, rainha da bateria da Barelândia) e leis que arbitram a relação homo X homo. Está uma putaria. Para imitar os americanos, que desde o bendito 11 de setembro, quando aviões selvagens capitalistas pilotados por mulçumanos capitalistas selvagens derrubaram as Torres Gêmeas, símbolo fálico de uma sociedade que fode os outros só pra ouvir gemer, os lideres tupiniquins por não terem porra nenhuma pra fazer, criar ou foder, resolvem só imitar o grande pai branco, proibindo as coisas, os bichos e as pessoas de suas liberdades básicas alcançadas por vários anos de luta contra poderes tirânicos. Vem um juiz prende, vem um juiz chefe, solta, quando se trata de um corrupto acima de qualquer suspeita ou acima de qualquer bilhão. E nós, merreca, vocacionados pra roubar galinha preta pra fazer macumba só assistindo indignados como se fosse um jogo de tênis de mau gosto.
Até bem pouco tempo atrás, quando pensávamos que poderíamos mudar o mundo, uma alma penada nascida no Brasil mesmo que vilipendiada pelas mentiras da imprensa, pela péssima administração dos poderes públicos, pela usurpadora cobrança de impostos sem trôco, pela corrupção institucional, ainda assim gozava de certas liberdades vigiadas, aquela concedida pelo Estado corrupto, mas vigilante. O cara podia fumar um cigarrinho pra relaxar, sem ser importunado por um horda de “saudáveis” não fumantes com suas caras de reprovação, apertar um baseado sem que o policial da esquina te pedisse um pega porque agora pode, até beber uma cerveja ou cachaça sem que policias disfarçados fiquem te dedurando pelo rádio para que uma viatura dos colegas pare teu carro no caminho pra te tomar uns 300 pro guaraná porque o natal está chegando. Hoje está foda saber em que vício confiar, ou saber o que está legalizado ou caiu na reprovação do neo conservador evangélico dos santos dos últimos dias do passa o meu que o teu já foi.
Viver sem vícios é não viver. É vegetar sem ser vegetal, (ops...tem a União do Vegetal). Mas assim não dá. Como uma pessoa normal vai conseguir agüentar os neo chatos e sua nova ordem mundial?. Eu já arrumei mais um vício para enfrentar a nova onda de proibições que estão por vir nessa maldita era covarde. Estou aprendendo a jogar poker. O Texas Holdem. Aprendi de tanto ver a programação americanizada dos nossos canais pagos em que a gente aprende a ser americano e gostar de poker e beiseball e paga pra ver comercial de produtos e religiões brancas protestantes para esquecer nosso vinculo mulato africano.
Dar tapa na pantera que nada, beber cerveja no bar do Armando está por fora, vou ficar em casa na encolha jogando poker na rede. E esperar chegar minha nova boneca inflável toda siliconada ultimo tipo, e pedir por telefone uma caixa de Viagra, a ultima droga ainda legalizada. O moto boy e os Correios até que funcionam, quando querem.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pompoarismo não é bezerro

O pompoarismo é uma antiga técnica oriental, derivada do tantra, que consiste na contração e relaxamento dos músculos circunvaginais, buscando como resultado o prazer sexual. Para o domínio da técnica são realizados com o auxílio dos ben-wa, que consistem em pequenas bolas ligadas através de um cordão de nylon, conhecidas também como bolinhas tailandesas (no caso das mulheres), e na contração na musculatura no esfíncter e dos músculos do períneo (no caso dos homens). Afirma-se ainda que o pompoarismo pode ser benéfico contra incontinência urinária e na preparação do canal para partos mais fáceis.
Já o bezerro não é técnica nem filosofia. O bezerro que nós conhecemos bem, aqui no Amazonas, é algo espontâneo, natural, a caboca amazonense já nasce com ele. Vem de berço. Faz parte da tradição e do orgulho baré a mulher ter bezerro. Tanto que desde cedo tem disputa pra quem tem bezerro melhor, mais forte. Não é pra qualquer uma sugar, apertar, moer, triturar, prender e cuspir a hora que bem…

Deputada Mirian Rios quer proibir o sexo anal... dos outros.

Esse Roberto Carlos é muito fraquinho.
Ele foi casado com a ex atriz Miriam Rios durante anos, depois que se separaram ela virou evangélica, depois virou católica da igreja carismática e toda cheia de valores morais e éticos que todos sabem que atores da Rede Globo depois do teste do sofá não podem ter.
Fora isso ela foi ex esposa de um cirurgião plástico famoso e mãe de um filho do ator Andre Goncalves.
Isso só os conhecidos.
Ela passeou bastante por pau de homem famoso.
Da noite para o dia a mulher virou deputada pelo Rio de Janeiro contando com os votos desse povo devoto.
Espia isso.
Por falta do que fazer para agradar seus eleitores inventou um projeto que proíbe o sexo anal.
Inventou o Dia Mundial Contra o Sexo Anal.
Oia.
Anal dos outros, acho.
Esses caras da listinha ai de cima não estão com nada.
Ou podem ter afolotado a pobre.
Para ela ter esse horror todo ao sexo anal, capaz de ser trauma mesmo.
Ou foi muito ruim ou foi muito dolorido.
Mas essa louca não pode legislar sobre…

Manaus está na época da tanajura

A tanajura é uma formiga alada, do sexo feminino, da família das saúvas.
É uma fêmea virgem que após acasalar, funda um novo formigueiro.
Em tempos mais quentes, quando está preste a chover, sai de suas tocas para pegar uma brisa em árvores, já que, nessa época, o estresse e o calor aumentam, provocados por aquele entra-e-sai sem fim, um caos.
Nada a ver com TPM e nem com sexo.
Em Manaus a época de tanajuras é aguardada junto com o dia de finados.
Esse ano chegou atrasado.
Minha casa está cheia de tanajuras.
A bunda da tanajura é cheia de gordura, pegava um monte delas e assava em frigideira.
Uma delicia.
Comia bunda literalmente.
Agora não.
As coisas mudaram.
Ando meio saudosista.
Tanajuras espalhadas pelo pátio da minha casa me enchem de lembranças da infância.
Ainda bem que eu tive.
E acho que parei nela.
Felizmente!