Pular para o conteúdo principal

O Caso dos Seis Cornos

A Barelândia é uma ilha banhada de selva por todos os lados.
A Barelândia é um caso à parte da humanidade.
Aqui o povo ou ama ou odeia periquito.
Aqui periquito voa baixo.
Na Barelândia, como em todo lugar da modernidade da moda moderna, a vida gira em torno de shoppings e academias. Todo mundo se conhece desses lugares.
Até lombriga um pega do outro nesses lugares.
Bueno.
Em uma renomada academia do centro da cidade quatrocentona existe uma academia cafona chamada Cheik Club frequentada por pobres e por novas ricas e seus carros importados com seus cabelos de boneca loira e suas bolsas Louis Vitton. Uma suruba social que fede a anabolizante.
As novas ricas querem também ser novas loiras bombadas que nem as do Pânico na TV e tomam bombas e puxam ferro a dar com pau para ver crescer os glúteos, coxas e bíceps e engrossar a voz. Depois vão em um cirurgião plástico da esquina e metem cilicone onde der, porque só puxar ferro não adianta.
Isso tudo para garantir um casamento com um “empresário” novo rico e trouxa que banca o carro importado da loira bombada que vai todo santo dia para academia.
Só faz isso na vida.
Espia isso:
Duas loiras entediadas com sua vida de academia começaram a dar para um outro “empresário” que frequenta a mesma academia.
O “Pau-de-Ouro” estava passando o rôdo nas duas loiras bombadas.
Quando uma loira bombada soube que a outra estava pegando o seu amante, contratou três meliantes e mandou matar a amante do amante. Os meliantes contratados por uma pechincha de sete mil reais em que só foi pago três mil, atiraram na amante do amante, mas não mataram, e os meliantes foram filmados pela câmera de segurança da academia, identificados e presos com seu revolver de espoleta.
Os meliantes entregaram a loira bombada que fazia o marido de corno com o empresário Pau-de-Ouro. Ela se encontra refugiada em Miami, paraíso dos muambeiros novos ricos, fazendo compras, como se nada tivesse com o caso.
Parando para pensar nessa história, todo mundo é corno mas viviam muito bem na sua vida cotidiana e sem sentido.
Quem estragou toda a brincadeira foi a loira ciumenta que não sabe brincar e desceu pro play.
Fico pensando no que deve estar pensando o marido da loira ciumenta que banca a bagaça da vida dela.
Mandou matar por ciúme do amante.
Puta que pariu!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Deputada Mirian Rios quer proibir o sexo anal... dos outros.

Esse Roberto Carlos é muito fraquinho.
Ele foi casado com a ex atriz Miriam Rios durante anos, depois que se separaram ela virou evangélica, depois virou católica da igreja carismática e toda cheia de valores morais e éticos que todos sabem que atores da Rede Globo depois do teste do sofá não podem ter.
Fora isso ela foi ex esposa de um cirurgião plástico famoso e mãe de um filho do ator Andre Goncalves.
Isso só os conhecidos.
Ela passeou bastante por pau de homem famoso.
Da noite para o dia a mulher virou deputada pelo Rio de Janeiro contando com os votos desse povo devoto.
Espia isso.
Por falta do que fazer para agradar seus eleitores inventou um projeto que proíbe o sexo anal.
Inventou o Dia Mundial Contra o Sexo Anal.
Oia.
Anal dos outros, acho.
Esses caras da listinha ai de cima não estão com nada.
Ou podem ter afolotado a pobre.
Para ela ter esse horror todo ao sexo anal, capaz de ser trauma mesmo.
Ou foi muito ruim ou foi muito dolorido.
Mas essa louca não pode legislar sobre…

Pompoarismo não é bezerro

O pompoarismo é uma antiga técnica oriental, derivada do tantra, que consiste na contração e relaxamento dos músculos circunvaginais, buscando como resultado o prazer sexual. Para o domínio da técnica são realizados com o auxílio dos ben-wa, que consistem em pequenas bolas ligadas através de um cordão de nylon, conhecidas também como bolinhas tailandesas (no caso das mulheres), e na contração na musculatura no esfíncter e dos músculos do períneo (no caso dos homens). Afirma-se ainda que o pompoarismo pode ser benéfico contra incontinência urinária e na preparação do canal para partos mais fáceis.
Já o bezerro não é técnica nem filosofia. O bezerro que nós conhecemos bem, aqui no Amazonas, é algo espontâneo, natural, a caboca amazonense já nasce com ele. Vem de berço. Faz parte da tradição e do orgulho baré a mulher ter bezerro. Tanto que desde cedo tem disputa pra quem tem bezerro melhor, mais forte. Não é pra qualquer uma sugar, apertar, moer, triturar, prender e cuspir a hora que bem…

Manaus está na época da tanajura

A tanajura é uma formiga alada, do sexo feminino, da família das saúvas.
É uma fêmea virgem que após acasalar, funda um novo formigueiro.
Em tempos mais quentes, quando está preste a chover, sai de suas tocas para pegar uma brisa em árvores, já que, nessa época, o estresse e o calor aumentam, provocados por aquele entra-e-sai sem fim, um caos.
Nada a ver com TPM e nem com sexo.
Em Manaus a época de tanajuras é aguardada junto com o dia de finados.
Esse ano chegou atrasado.
Minha casa está cheia de tanajuras.
A bunda da tanajura é cheia de gordura, pegava um monte delas e assava em frigideira.
Uma delicia.
Comia bunda literalmente.
Agora não.
As coisas mudaram.
Ando meio saudosista.
Tanajuras espalhadas pelo pátio da minha casa me enchem de lembranças da infância.
Ainda bem que eu tive.
E acho que parei nela.
Felizmente!